Ambulantes do Huse se espalham pela região para tentar manter renda

0
No ponto de ônibus e do outro lado da avenida, ambulantes buscavam uma forma de continuar as vendas.(Fotos: Portal Infonet)

Parte dos ambulantes que ficavam alocados na calçada em frente do Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), no bairro Capucho se espalharam por outros pontos da localidade nesta quarta-feira, 22. A medida foi tomada após a Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb) retirar os vendedores da área ontem.

Adriano defende ambulantes no local

O representante de vendas Adriano Nascimento lamentou a situação. “Passo sempre por aqui para comprar lanches e percebo que os funcionários e acompanhantes do hospital também dependem dos ambulantes. Como aqui não tem comércio perto, eles aproveitam para comprar também”, disse.

Carlos Santos vende na região há cinco anos

Vendedor de mingaus e café há cinco anos, Carlos Santos Ferreira precisou de uma dinâmica diferente para conseguir vender. “Agora eu fico circulando com meu carrinho por aí. Só paro pra atender os clientes”, disse. No ponto de ônibus e do outro lado da avenida, ambulantes buscavam uma forma de continuar as vendas.

A Emsurb informou que nenhuma área da região está liberada para os ambulantes. A orientação é que os vendedores se cadastrem junto ao órgão para que sejam remanejados em outros espaços de Aracaju.

A Procuradoria Jurídica da Emsurb afirmou ontem ao Portal Infonet que a atividade não é permitida porque a área é uma calçada e não tem as condições de higiene adequadas. A empresa municipal ainda disse que a retirada já havia ocorrido no mês de abril, mas foi necessária uma operação para remoção daqueles que retornaram e insistiram em atuar de maneira irregular. A orientação da Emsurb é que os ambulantes se cadastrem junto ao órgão para que sejam remanejados em outros espaços de Aracaju.

A polêmica relacionada à retirada dos ambulantes das imediações do Huse ocorre desde agosto de 2017. A Emsurb também retirou comerciantes da área lateral do Ipesaude e fez mudanças na área dos mercados.

por Jéssica França

Comentários