Salve: estabelecimentos devem ter equipamento para ler ritmo cardíaco

0
Tenente Valter chama a atenção para cumprimento de lei municipal (Fotos: Portal Infonet)

Em Aracaju, apesar da obrigatoriedade de estar disponível para a comunidade, poucos estabelecimentos possuem Desfibrilador Externo Automático (DEA), equipamento que efetua a leitura automática do ritmo cardíaco e pode salvar vidas em caso de parada cardiorrespiratória. O alerta vem do tenente Valter Alves, do Corpo de Bombeiros, coordenador do Projeto Salve – Corrente de Assistência à Vida.

Voluntários do Projeto Salve orientam população em shopping

A lei que ele se refere é a de número 3333, aprovada no ano de 2005 pela Câmara de Vereadores de Aracaju, que dispõe sobre a obrigação da realização de treinamentos e capacitação de pessoal em prestar suporte básico para o atendimento relacionado aos primeiros socorros e ao uso do DEA com o objetivo de reanimar os pacientes vítimas da doença.

Conforme enfatizou o tenente Valter, nem nas academias de ginástica, que deveriam ter grande preocupação em decorrência dos esforços relacionados às atividades físicas, estes equipamentos estão acessíveis aos alunos. “É necessário conscientizar e convencer as pessoas a aderir a esta preocupação”, destacou o tenente, ressaltando a importância da massagem cardíaca e do uso do equipamento nos procedimentos de primeiros socorros prestados a pacientes vítimas de parada cardiorrespiratórias em ambientes de grande concentração de pessoas.

Treinamento voluntário

Samuel agradece o acesso que teve ao treinamento

E foi com este objetivo que toda a equipe do Projeto Salve – Corrente de Assistência à Vida está concentrada durante todo este sábado, 29, nas instalações do Shopping Prêmio, em Nossa Senhora do Socorro, realizando uma atividade especial, e de forma voluntária, para ensinar aos frequentadores daquele centro de compras os procedimentos básicos que devem ser adotados, de forma correta, para reanimar pacientes.

O Projeto Salve – Corrente de Assistência à Vida está atuando em Sergipe, com um trabalho voluntário, desencadeado por profissionais vinculados ao Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192 Sergipe), Sociedade Médica do Estado de Sergipe, Corpo de Bombeiros do Estado de Sergipe e da Cooperativa dos Anestesiologistasdo Estado de Sergipe (Coopanest). Desde que entrou em operação, conforme o tenente Valter, o grupo já realizou treinamentos em diferentes pontos de grande circulação, que culminou com a capacitação de cerca de 3 mil pessoas, neste período. “Geralmente, quando este tipo de emergência acontece dentro de casa é a família o primeiro a chegar e ver, não é uma ambulância do SAMU ou do Corpo de Bombeiros que chega primeiro”, diz o tenente, justificando as ações para capacitar as pessoas.

A comunidade que frequentou o shopping neste sábado aplaudiu a iniciativa. “Um conhecimento que veio agregar para que a gente possa agir até chegar alguém especializado”, destaca o auxiliar de produção Samuel da Conceição Silva, 24, que já associou o treinamento que recebeu na manhã deste sábado para a sua atividade profissional. “Sou estudante de segurança do trabalho e esse treinamento é muito importante para ajudar a gente a saber fazer a reanimação cardíaca”, ressaltou.

Por Cássia Santana

Comentários