Aracaju (SE) – Tour central por prédios tombados

0
Praça Fausto Cardoso e entorno tem prédios históricos e construções tombadas pelo patrimônio público

Os centros das cidades brasileiras são ricos em história, regionalismo, monumentos e detalhes que os configuram como um potencial atrativo sociocultural e turístico. Aracaju não foge à regra e por ter uma peculiaridade entre as capitais nordestinas, ou seja, juntamente com João Pessoa, originou-se à beira-rio e não à beira-mar, a região central é agraciada com prédios históricos tombados, centros culturais, boa infraestrutura, tudo isso ao frescor da brisa do rio Sergipe, propício também a bons passeios fluviais.

Há de convir que um dos entraves para que o turista possa permanecer no destino por mais tempo é a falta de roteiros consolidados para se fazer dia e noite. No caso de Aracaju, produtos e potencialidades turísticas têm de sobra, mas ainda peca em oferecer uma segmentação de roteiros atrativos e que sejam visíveis, comercialmente, por agências. Um city tour panorâmico pela cidade não é o bastante e, a contrapartida, diversos roteiros têm se mostrado atrativos, como o roteiro do Centro da capital.

Tour poderá iniciar pela Ponte do Imperador, um marco no centro de Aracaju

O tour inicia na Ponte do Imperador, construída em 1860, quando o então imperador D. Pedro II esteve em Sergipe. Conta a história que para sua chegada foi construído um ancoradouro, a fim de que o vapor Apa, que conduzia Sua Majestade e sua comitiva, pudesse ancorar. Isso mesmo, através do rio Sergipe ancoravam aeroplanos naquela época!

Em 1904 a “ponte” passou por sua primeira reforma, alterando a estrutura original, que era totalmente de madeira, por material mais sofisticado, metal e vidro vindos da Inglaterra. Foi construído um portal nos moldes medievalescos. Já nesse período o ancoradouro tinha o nome de ponte, mais precisamente de metálica ou ponte inglesa. Em 1920 nova reforma empreendida pelo construtor italiano Hugo Bozzi, trocou o portal medieval por dois torreões em alvenaria, simbolizando a identidade cultural sergipana, ladeado por duas esculturas de índios, que até hoje a ornam.

O ponto de referência para o tour é a praça Fausto Cardoso em frente da ponte, onde se concentram os três prédios dos poderes da capital e alguns dos mais belos cartões-postais do centro histórico e comercial da cidade.

Palácio-Museu Olímpio Campos é símbolo de uma época republicana em Sergipe

Aracaju foi projetada em um tabuleiro de xadrez, com arquitetura central que une prédios históricos com arquitetura mista e modernos, mas, no geral, resguarda um traçado moderno, principalmente, caminhando para a zona sul da cidade. Na praça o turista contemplará prédios que serviram de local para atos históricos, além de lugares que merecem uma observação a mais por sua beleza arquitetônica e urbanística.

Do lado esquerdo em direção contrário ao rio, ficam os prédios da Assembleia Legislativa de Sergipe e o Palácio da Justiça Tobias Barreto, onde antes funcionou um dos primeiros hotéis de Aracaju: o hotel Rubina (1920).

Os corretos e as estátuas que ladeiam o espaço público foram projetadas e adornadas por uma missão italiana inspirada nas quatro estações do ano de palácios de Florença, na Itália. Na praça se encontra também, ao centro, a primeira estátua pública de Sergipe: a de Fausto Cardoso.

Palácio Carvalho Neto 

Do lado direito da praça ficam os prédios da delegacia fiscal do Ministério da Fazenda também conhecido como Palácio Carvalho Neto e da Biblioteca Pública, datados dos anos 30, antigas sedes da Receita Federal e Arquivo Público do Estado. Suas estruturas praticamente permanecem as mesmas. (Tombamento por meio do Decreto nº 15 989, de 24 de julho de 1996)

Painel Jenner Augusto 

Painel Jenner Augusto e Udo Knoff , tombado pelo Governo de Sergipe

Bem próximo está o painel de Jenner Augusto, pouco conhecido pelos sergipanos, situado na esquina do calçadão da rua João Pessoa e da praça Fausto Cardoso, no prédio Walter Franco. Confeccionado em cerâmica pelo alemão Udo Knoff e pintado em 1957, a obra traz traços cubistas mexicanos e remete à economia de Sergipe, tombado pelo Governo do Estado por representar um marco do modernismo, sendo uma das primeiras obras vanguardistas públicas do gênero no Nordeste.(Tombamento por meio do Decreto nº 9.990, de 26 de outubro de 1988)

Palácio-Museu Olímpio Campos

Palácio-Museu Olímpio Campos iluminado

A frente da praça fica um dos ícones da história político-econômica de Sergipe: o Palácio-Museu Olímpio Campos, sede do governo de Sergipe e que hoje também abriga um museu histórico.

Salões nobres, corredores, sacada com vista para a emblemática praça Fasto Cardoso, cômodos. Mobílias, objetos pessoais de governadores e telas de pintores da década de 20. A volta ao passado está garantida através de uma visita monitorada com duração de 1h30 ao Palácio-Museu, restaurado no final de 2010 e reaberto com esse status.

Mobílias e objetos de governadores e personalidades da história de Sergipe

Suas obras foram iniciadas em 1859 e concluída em 1863 para ser a sede do governo da província, funcionando com esse patamar até 1995.

O Olímpio Campos é um marco da história de Sergipe e resguarda um acervo singular de assinaturas de documentos, de visitas ilustres, dos discursos e desfiles cívicos, além dos fatos históricos de resistência, mudanças e tragédias. Muitos deles com enfática afirmativa de ser emblemáticos para a construção do povo sergipano.  (Tombamento por meio do Decreto nº 6818, de 28 de janeiro de 1985).

Palácio Quintina Diniz 

Após a visita monitorada ao museu, observe os dois prédios vizinhos ao palácio: um prédio secular onde abrigou a antiga sede do Legislativo de Sergipe nominado como Quintina Diniz, nome da primeira deputada de Sergipe, e que funciona hoje o Memorial do Legislativo e a Escola do Legislativo Seixas Dória. A antiga sede da Assembleia Legislativa, concluída em 1874, foi erguido em estilo neoclássico, e após a reforma executada no início do século XX, enquadrou-se no estilo eclético. Com a transferência da Assembleia para sua sede atual, o prédio recebeu a denominação de Palácio Fausto Cardoso em homenagem ao advogado e político Fausto de Aguiar Cardoso (1864-1906), líder do movimento revolucionário de agosto de 1906, baleado na praça que leva o seu nome. (Tombamento por meio do Decreto nº 8313 de 18 de fevereiro de 1987).

Câmara de Vereadores de Aracaju, antiga sede do Tesouro Estadual e Procuradoria Geral do Estado, antigo Tribunal de Justiça

Memorial do Judiciário no Palácio Silvio Romero tem acervo aberto ao público

Percorra o corredor de palmeiras imperiais da praça Almirante Barroso até passar por dois palácios que abrigam a Câmara de Vereadores de Aracaju, antiga sede do Tesouro Estadual e a Procuradoria Geral do Estado, antigo Tribunal de Justiça.  A praça à frente fica no antigo Parque Teófilo Otoni, hoje mais conhecida como praça Olímpio Campos ou da Catedral Metropolitana de Aracaju. (Tombamento por meio do Decreto nº 12 039, de 22 de jan de 1991 e  Tombamento por meio do Decreto nº 9991 de 26 de out de 1988).

Memorial do Judiciário de Sergipe, antigo Juizado de Menores

O traçado urbanístico da praça contempla em seu entorno prédios emblemáticos como a primeira sede da Prefeitura Municipal de Aracaju (Palácio Inácio Barbosa), a Cúria Metropolitana ou o palacete da Arquidiocese de Aracaju, antigo palacete da família Mandarino, o colégio estadual Jackson de Figueiredo e o imponente sobrado do Memorial do Judiciário de Sergipe, antigo Juizado de Menores, denominado de Fórum Desembargador José Fernandes Prado Vasconcelos. (Tombamento por meio do Decreto lei nº 6822, de 28 de jan de 1985).

Catedral Metropolitana de Aracaju

Catedral Metropolitana passa por restauro e é símbolo da fé católica

Não deixar de visitar no centro da praça a catedral metropolitana de Aracaju um dos mais significativos monumentos da arquitetura religiosa de Aracaju. Construída em 1862, a igreja matriz de Nossa Senhora da Conceição tornou-se catedral em 1910. Sua arquitetura está ligada aos elementos marcantes do neoclassicismo e do neogótico. Sua cúpula é ornamentada com pinturas do século passado. Atualmente passa por um grande processo de restauro, mas continua aberta para o público.

Catedral metropolitana de Aracaju

Também não deixe de visitar a Rua do Turista, outrora denominada de Rua 24h, recentemente restaurada. Há vários boxs de artesanato, informações turísticas, restaurantes. Siga pelo calçadão da João Pessoa em direção à praça General Valadão. Passe pelos calçadões das ruas Laranjeiras, com capela de São Salvador, primeiro templo católico de Aracaju, declarado Patrimônio Histórico e Artístico de Sergipe por ter sido cenário dos principais acontecimentos da capital, como a visita do imperador Dom Pedro II e da imperatriz Teresa Cristina em 11 de janeiro de 1860, marcando o início de uma visita de oito dias a então Província de Sergipe Del Rey.

Não deixe de apreciar vizinho da igreja a original patanisca no português Luzitânia, vizinho. A patanisca é o tradicional bolinho de bacalhau português. Logo após, no calçadão, passa-se pela fachada do primeiro cinema da capital: o Cine Rio Branco, datado de 1920. (Tombamento por meio do Decreto lei nº 6819, de 28 de jan de 1985)

Centro Cultural de Aracaju, antiga Alfândega de Sergipe 

Centro Cultural de Aracaju abrigou a antiga alfândega

Na praça General Valadão se concentram mais prédios documentais da história de Sergipe, a exemplo do antigo hotel Palace, considerado o primeiro hotel modernista de Sergipe, a antiga sede da Cadeia Pública e hoje o prédio Serigy, da Secretaria de Estado da Saúde, além da antiga Alfândega de Sergipe, que após ser restaurado, a prefeitura de Aracaju o transformou Centro Cultural de Aracaju. A visita monitorada durará cerca de 1h e através das salas de projeções, da biblioteca, espaço cultural e de exposições, um pequeno teatro e um museu com peças sergipanas, os futuros guias tiveram uma noção da cultura e história de Aracaju.

Acervo de bonecos do grupo Mamulengo de Cheiroso no Centro Cultural de Aracaju

O prédio funciona aos sábados, das 9h às 14 horas. Durante a semana o centro cultural abre das 9h às 17h, com exceção das segundas-feiras. Não deixe de conhecer a Sala da Cultura Popular Mestre Euclides, com brinquedos e peças de teatro de bonecos que marcaram época.

Conjunto de mercados centrais de Aracaju também deve ser visitado

O tour guiado pelo centro de Aracaju finalizará com uma majestosa vista do rio Sergipe no Memorial Zé Peixe, ao fundo do Centro Cultural de Aracaju. Os turistas poderão descansar sentindo a brisa do rio e apreciando mais um patrimônio cultural e artístico do povo sergipano: as antigas embarcações denominadas de tototó (também Patrimônio Material dos sergipanos) às margens do rio Sergipe, que dão um tom bucólico e pesqueiro ao centro da capital sergipana. Do atracadouro onde ainda serve de ponto de embarque para a travessia Aracaju- Barra dos Coqueiros há uma grande concentração de barcos, o que dá um charme especial à beira do rio Sergipe. (Tombamento por meio do Decreto nº 21765 de 9 de abril de 2003)

Gastroterapia

Tradicionais pratos com toque de sergipanidade no Cacique Chá Senac Bistro

Rua do Turista (Antiga Escola Normal) – Não deixe de observar a faixada principal da entrada, erguida em 1911, e que hoje é a porta de entrada da Rua do Turista com restaurantes, bares, lojas e cinema de arte. Há comercialização de artesanatos, lojas de serviços, infraestrutura para o turista relaxar e conhecer o centro comercial central propriamente dito de Aracaju, entre os calçadões das Laranjeiras e João Pessoa. No cruzamento dos calçadões fica a primeira igreja católica de Aracaju, a capela de São Salvador, tombada pelo estado como patrimônio histórico e artístico de Aracaju, por ter sido cenário dos principais acontecimentos da capital, como a visita do imperador Dom Pedro II e da imperatriz Teresa Cristina em 11 de janeiro de 1860, marcando o início de uma visita de oito dias a então província de Sergipe Del Rey.

Escalopinho de filé com pegada sergipana

O Cacique Chá Senac Bistrô localizado na praça Olímpio Campos, em frente a catedral metropolitana, é uma boa pedida para quem está no centro de Aracaju com um custo/benefício interessante e com um cardápio baseado em sabores sergipanos.

Pudim de coco verde é uma das delícias

O prato “Vaca Atolada Jenner Augusto”, em homenagem ao artista sergipano, é um suculento ensopado de carne com macaxeira, o cozido sergipano e o escalopinho de filé são boas pedidas de carne vermelha. Frango de capão com pirão e moqueca de camarão no coco, além do cachorro quente do Seu Tobias são sabores bem sergipanos. A sobremesa fica por conta do pudim de coco verde ou da fatia de torta sergipana.

Instagram                        Facebook                      Tô no Mundo

Leia também:

Monumento Natural do Angico (SE): ecoturismo, Cangaço e Velho Chico

Hidrelétrica de Xingó: lazer e dose de conhecimento

Brejo Grande (SE): potencial turístico ainda preservado

Aldeia Xokó: turismo comunitário na ilha de São Pedro

 

Comentários