MUSIQUALIDADE

0

R E S E N H A    D E    C D    1

 

Cantoras: VÁRIAS

Título: “ODE DESCONTÍNUA E REMOTA PARA FLAUTA E OBOÉ – DE ARIANA PARA DIONÍSIO”

Gravadora: SARAVÁ DISCOS

 

O arteiro Zeca Baleiro está fazendo chegar ao mercado os dois primeiros lançamentos do seu selo “Saravá Discos”, através do qual pretende lançar projetos de incontestável qualidade artística que certamente não seriam veiculados por grandes gravadoras. A previsão inicial era de que fossem eles comercializados desde julho do ano passado, mas os aguardados álbuns somente se fizeram disponíveis este mês e poderão ser adquiridos diretamente através do site do cantor.

Um deles resultou de dez poemas de Hilda Hilst que foram musicados por Baleiro. A história que os uniu é incrível! Quando Baleiro lançou o seu estupendo primeiro CD, enviou uma cópia dele à escritora e poetisa. Dias depois, recebeu um telefonema da própria, dizendo que queria se tornar parceira do compositor maranhense. Em seguida, enviou-lhe um disquete contendo toda a sua obra poética. Baleiro deslumbrou-se, de imediato, com a delicadeza e força de “Ode Descontínua e Remota para Flauta e Oboé”, um dos capítulos do livro “Júbilo, Memória, Noviciado da Paixão”, um conjunto de 10 poemas líricos e femininos sobre o amor impossível de Ariana e Dionísio. O álbum começou a ser gravado em abril de 2003 e levou cerca de dois anos para ser concluído. Antes disso, todavia, em fevereiro de 2004, Hilda veio a falecer, não chegando, infelizmente, a ouvir o trabalho concluído.

Aqueles que compõem sabem o quanto é complexo pôr melodias em poesias já prontas. Ainda mais quando são elas escritas de forma solta, sem preocupação com métricas e rimas. Dentro do possível, porém, Baleiro saiu-se bem. É claro que não se trata de melodias fáceis de serem assimiladas. Mas há canções muito bem resolvidas. As melhores delas são indubitavelmente as interpretadas por Ângela Ro Ro e por Olívia Byington. Mas as outras oito cantoras (escolhidas a dedo) estão todas elas irrepreensíveis. São elas: Rita Ribeiro, Verônica Sabino, Maria Bethânia, Jussara Silveira, Ná Ozzetti, Zélia Duncan, Mônica Salmaso e Ângela Maria. Dos nomes inicialmente sondados por Baleiro, somente Zizi Possi não pôde participar do projeto.

No geral, uma iniciativa bem interessante e que deve ser aplaudida com entusiasmo!

 

 

R E S E N H A    D E    C D    2

 

Cantor: SÉRGIO SAMPAIO

CD: “CRUEL”

Gravadora: SARAVÁ DISCOS

O outro lançamento do pacote inicial do selo Saravá Discos é o CD intitulado “Cruel”, do compositor e cantor capixaba Sérgio Sampaio. O artista fez o maior sucesso em 1972 com a marcha-rancho “Eu Quero é Botar Meu Bloco na Rua”, mas depois disso, embora tenha gravado canções memoráveis, não conseguiu manter a repercussão de seu trabalho.

Onze anos depois de sua morte, Zeca Baleiro (que sempre foi fã do trabalho de Sérgio), de posse de uma fita dat original contendo oito canções registradas em estúdio somente com violão e voz, a qual lhe foi entregue pela viúva de Sérgio, resolveu fazer chegar ao público o que restou da obra de um dos artistas mais incompreendidos da nossa MPB. Juntou-as a outras seis músicas garimpadas entre cassetes encontrados em várias cidades pelas quais Sérgio passou e chegou ao CD “Cruel”, um belíssimo painel da obra de um melodista sensível, poeta inspirado, expressivo cantor e violonista competente.

Sobre as bases existentes foram inseridos outros instrumentos, tendo-se, contudo, a preocupação de vestir as canções com delicadeza, sem excessos, apenas realçando as sugestões de arranjos contidas no violão de Sérgio. Músicos de ponta foram arregimentados para participar das gravações e lá estão feras como Tuco Marcondes (violão), Lui Coimbra (cello), Sacha Amback (piano), Rogério Delayon (bandolim), Paulo Lepetit (baixo), Bocato (trombone), Milton Guedes (gaita) e Guilherme Kastrup (percussão).

Algumas das músicas não são de fato inéditas (como, por exemplo, a faixa-título que anteriormente já havia sido gravado por Luiz Melodia), mas a maioria chega aos ouvidos do público pela primeira vez. Merecem destaque a contundente “Roda Morta” (um cinzento retrato do cotidiano), a belíssima e cinematográfica “Pavio do Destino”, a pseudo-brega “Uma Quase Mulher”, o inspirado chorinho “Muito Além do Jardim” e os divertidos sambas “Polícia Bandido Cachorro Dentista” e “Rosa Púrpura de Cubatão”.

Um CD que vem comprovar o talento de Sérgio Sampaio e coroar, com êxito, essa brilhante iniciativa de Zeca Baleiro!

 

 

N O V I D A D E S

 

·               E Sergipe já ferve com a festa de entrega do Prêmio Nossa Música aos melhores artistas da música de 2005, a qual deverá acontecer ainda este mês. O prêmio é uma iniciativa da Liberdade FM e do incansável batalhador produtor musical Neu Fontes e tem como objetivo valorizar a prata da casa!

 

·               Também enche de expectativas a Cidade a realização da 10ª edição do Festival de Música Sescanção, uma louvável idéia do Sesc de Sergipe que já dura uma década. Este ano, pela primeira vez, as quinze canções finalistas estão sendo selecionadas entre as melhores apresentadas em duas eliminatórias. A grande final acontecerá no dia 06 de maio no palco do Teatro Atheneu. Imperdível!

 

·               E 2006 promete ser bem importante para a música sergipana! Vários serão os artistas que estarão lançando CD’s no decorrer do ano. Alguns já estão com seus discos prontinhos, esperando o melhor momento de lançá-los. Dentre eles estão Kleber Melo, Nino Karva e Sergival. Outros se encontram, no momento, em estúdio, gravando os seus trabalhos. É o caso de Joésia Ramos, de Mingo Santana e da banda Maria Scombona. Que os deuses da Música iluminem todos eles!

 

·               A banda Blitz, capitaneada pelo irrequieto Evandro Mesquita, tenta reeditar o enorme sucesso obtido nos anos oitenta. É que, formada com novos componentes, a gravadora EMI está pondo nas lojas o CD “Blitz Com Vida”, um trabalho no qual vários antigos sucessos foram regravados com novos e vigorosos arranjos, a exemplo de “Você Não Soube Me Amar”, “Betty Frígida” e “A Dois Passos do Paraíso”. Dentre as quatro composições inéditas, a melhor delas é “Reggae do Avião”, uma bem divertida alusão ao famoso “Samba do Avião”, de Tom Jobim. Bandas que também foram catapultadas para o sucesso há vinte anos são homenageadas com a inclusão de algumas canções como “Sonífera Ilha” (do repertório dos Titãs), “Perdidos na Selva” (da Gang 90), “Bete Balanço” (do Barão Vermelho) e “Óculos” (dos Paralamas). Para dar um brilho especial ao projeto, além de tentar remoçá-lo, há as participações especiais de Danni Carlos, Frejat, Chorão, Paulo Ricardo e Toni Garrido.

 

·                No primeiro CD da banda Meteora, que tem como vocalista Fábio Duarte, o atual namorado de Ivete Sangalo, a cantora participa como co-autora de três músicas. A novidade é que a banda não é de axé nem de pagode. É de rock muito pesado!

 

·               Já está em temporada o novo show de Gal Costa. Baseado no repertório do seu mais recente CD (“Hoje”), o espetáculo inclui uma canção inédita intitulada “Onde Está Você?”, mais uma parceria entre Lokua Kanza e Carlos Rennó.

 

·               Nos anos oitenta, a dupla gaúcha formada pelos irmãos Kleiton & Kledir assolava as paradas de sucesso nacionais com músicas ao mesmo tempo inteligentes e contagiantes. Diferenças pessoas fizeram-nos romper a parceria e por anos eles privaram o público de canções como “Nem Pensar”, “Deu Pra Ti” e “Tô Que Tô”, até hoje presentes no inconsciente coletivo. São essas músicas, aliadas a outros hits (“Canção da Meia-Noite”, “Vira Virou” e “Paixão”, por exemplo) que estão presentes no CD (que também saiu em DVD) gravado ao vivo no Salão de Atos da PUCRS, em Porto Alegre, em setembro do ano passado e que marca a volta dos artistas aos palcos. Há a participação de um outro irmão, o excelente compositor Vitor Ramil, nas faixas “Estrela, Estrela” e “Vento Negro” e, como não poderia deixar de ser, a presença de duas boas canções inéditas (“Então Tá” e “Capaz”). Mas delícia mesmo é recordar a interessantíssima “Fonte da Saudade” e conferir as novas e emocionantes tintas conferidas à alegre “Noite de São João”, dois dos melhores momentos desse superbem-vindo álbum.

 

·               O novo CD de Zeca Pagodinho já está sendo pensado e sairá pela série MTV ao Vivo. A idéia é centrar o repertório nos chamados sambas de gafieira. Zeca adorou o projeto e já se encontra pesquisando as canções que irá gravar.

 

·               A cantora escolhida para compor a banda Os Mutantes, que voltará a se reunir a fim de participar do espetáculo especial programado dentro da exposição inglesa sobre a Tropicália, foi a baiana Rebeca Matta. A garota faz música brasileira de textura eletrônica, com postura roqueira, e ganhou o posto porque Rita Lee, a vocalista da formação original da banda, recusou o convite para reassumir o posto. Outro nome que chegou a ser cogitado foi o de Fernanda Takai, mas devido a compromissos anteriormente assumidos, a líder do Pato Fu não pôde aceitar o convite.

 

·               Mais que a história da formação do povo brasileiro, como informa o texto escrito no encarte do CD “Fogueira do Divino”, o espetáculo que a ele deu origem se trata de uma celebração à vida. Composto por vinte canções resultantes da parceria de Tavinho Moura e Fernando Brant, dois mineiros que advieram do chamado “Clube da Esquina” (capitaneado por Milton Nascimento), o musical foi apresentado no Palácio das Artes de Belo Horizonte (MG), em maio de 2002, em comemoração aos 30 anos da Fundação Clóvis Salgado, tendo somente chegado ao mercado fonográfico no finalzinho do ano passado através da gravadora Dubas, gerenciada pelo conterrâneo Ronaldo Bastos. Supostamente gravado ao vivo, o disco traz belas canções executadas pela Orquestra Sinfônica de Minas Gerais e interpretadas pelos afinados integrantes do Coral Voz e Cia. Dentre os melhores momentos destacam-se: “Dois Rios”, “Gente Que Vem de Lisboa”, “Serra da Maravilha”, Pacto” e “A Grande Graça”.

 

·               Depois de alguns anos sem lançar nenhum novo trabalho, o cantor Léo Jaime estará em breve lançando um CD com repertório inédito, na companhia do grupo Os Impossíveis.

 

·               Encontra-se em fase de produção um documentário sobre a vida e a carreira do cantor e compositor Edu Lobo. Já foram feitas entrevistas com Marcos Valle, Marília Medalha e Ivan Lins e ainda este mês deverão rolar os depoimentos de Dori Caymmi, Joyce e Gianfrancesco Guarnieri.

 

 

RUBENS LISBOA é compositor e cantor


Quaisquer críticas e/ou sugestões serão bem-vindas e poderão ser enviadas para o e-mail: rubens@infonet.com.br

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais