Blogs

Jaime Neto

Capricorniano. Aracajuano. Jornalista. Sempre me encontrei na palavra escrita. Gosto de trabalhar assessorando. Sou produtor. Adoro coisas bonitas. Não tolero discriminação. Não suporto burrice causada por preguiça de aprender.

Ensaios sobre uma decisão

Comecei este ensaio como uma forma de confissão. Algo que não ouso aqui constantemente e nem tenho intenção de usar. Mas quis desenvolvê-lo dentro de um protótipo de algo onde eu pudesse desenvolver uma ideia, me colocando como exemplo

Ensaio sobre o animalesco

Parece que perdemos o nexo de existir. Os poucos que ainda resistem se comovem com o muito que a vida apresenta. Quanta coisa. Existem situações que colocam nossas bases no chão. Ficamos mais animalescos e menos humanos. Os grotescos que

Ensaio sobre o medo

Só tem medo quem possui respaldo para tal. Mesmo que seja algo imaginário, ilusório, é preciso tem um embasamento para justificar o temor. Temos medo de sofrer, nos enganar, da rejeição, da pobreza, doença e por aí vai... Acho que de todos

Ensaio sobre a mudança

Comecei no feriado do dia 21 do mês passado. Mudar nem sempre requer certeza do passo que será dado, mas como eu precisava rever alguns pontos, comecei a fazer uma lista de tudo que mais me agrada e não tinha um controle catalogado:

Ensaio sobre a distância

Pensando sobre o percurso. A distância entre mim e você pode ser considerada a mesma, se levarmos em consideração o caminho oposto de nossa relação? Depende... Cada lado possui sua própria avaliação das coisas, seus quiproquós. Achar que o

Ensaio sobre o adeus

O adeus é quase uma morte. Talvez assim o seja, pois chegamos próximos ao nada em si. O que antes existia dá lugar ao vazio, pois o adeus está embutido num buraco existencial, que faz apertar os músculos dos mais fortes dos bravos. Só

Ensaio sobre a ironia

A ironia vem nas entrelinhas. Sem inteligência não adianta ler nada irônico, pois os “bons de olhos” não percebem as circunstâncias, muito menos a acidez dos comentários. A ironia faz parte do dia-a-dia do ser humano, como uma espécie de

Ensaio sobre a falsidade

Roupa sem grife é falsa. Eletrodoméstico barato é Chinês. Pilha palito falsa descarrega mais rápido. Cor do mar escura é barro. Luar sem cor é minguante. Amor sem “amor” é fraqueza. Música sem compositor é pública. Perfume sem álcool é

Ensaio sobre o cinismo

O cinismo anda de mãos dadas com a descrença. É aquilo de olhar para trás e não se enxergar mais como antes. A pessoa amadurece ao passar por problemas (oK), mas, não existe algo mais denso do que não ser mais o mesmo, se perceber outro,