Assim caminha a política – e os políticos

0

… E, de repente, como num passe de mágica, o histórico e tão esperado dia 2 de outubro de 2016 já virou passado. Mal se encerrou o tempo de votação, começou a borbulhar o resultado do pleito, trazendo naturalmente muitas novidades.  Aracaju deu o Prefeito João Alves  sua mais humilhante derrota: ficou em terceiro lugar, com uma votação de menos de dez mil votos, bem próximo da votação do quarto colocado Dr. Emerson Ferreira.

Para quem se jactava que poderia ganhar de primeiro turno, foi um decepção o resultado para Edvaldo Nogueira e seus seguidores. Ele ficou a meros 1.740 sufrágios à frente de seu oponente, Valadares Filho. Terminou com 99.815 sufrágios, contra 98.075.  A peleja só vai ser decidida agora no final deste mês, num segundo turno indigesto para o candidato a Prefeito do Governador Jackson Barreto. Como certamente haverá um novo debate n televisão, espera-se que não amarele ou que tenha algum surto vexaminoso como na quinta-feira antes das eleições.

Na Câmara de Vereadores ocorreu uma tragédia digna de Shakespeare. Dos atuais 24 parlamentares, só retornam na próxima legislatura um terço deste número: Iran Barbosa, Vinicius Porto, Lucas Aribé, Bigode de Santa Maria, Anderson de Tuca, Manoel Marcos, Nitinho e Dr. Gonzaga. Iran Barbosa, do PT, virou o campeão de votos: nada menos que 8.805. Haverá algumas estreias importantes: Isac do PCdoB, Emilia Correia, do PEN;  Antonio Bittencourt, também do PCdoB; Jason Neto, etc. De tantos militares candidatos, só um, Cabo Amintas, do PTB, pode lograr chegar à Câmara. Os demais – e eram muitos – foram rifados – menos mal, os militares não vão ser contaminados, pelo menos agora, pelo vírus da política… Há retornos até inesperados: Evando Franca, Elber Batalha, Juvêncio Oliveira… E algumas estreias que podem virar incógnitas: Kitty Lima, Thiaguinho Batalha, Fábio Meirelles, até um palhaço, que atende pelo nome de Palhaço Soneca.

No interior do Estado, a grande surpresa sem dúvida foi a eleição de Paulinho das Varzinhas, para a Prefeitura de Laranjeiras. Ele já foi prefeito de lá, mas ultimamente vinha sofrendo com a perseguição da Justiça, tanto que seu filho, o deputado estadual Paulo das Varzinhas, é um dos dois parlamentares proibidos até de passar na porta da Assembleia. Ele conseguiu derrotar um prefeito de prestígio: Juca de Bala. Alguém aí pensou que Juca de Bala seria invencível? Pois él… O indefectível Sukita elegeu-se prefeito de Japaratuba, derrotando (teve 50,09% dos votos e a mulher, Silvani Sukita, vai para o trono de Capela,  com 51,53%. Sukita desafiou a tudo e a todos e agora deu a volta por cima. Se brincar, vai querer testar uma campanha de governador, ou, no mínimo, de deputado estadual.

A Assembleia Legislativa, a partir de janeiro, ganha três novos ocupantes de cadeiras. É que Gilson Andrade conseguiu eleger-se prefeito de Estância (derrotou o atual, Carlos Magno) e Padre Inaldo vai para o trono em Socorro, derrotando o candidato do Prefeito Fábio Henrique, o ex-deputado Zé Franco. Já Valmir Monteiro troca o Legislativo estadual pela Prefeitura de Lagarto. Ele derrotou o veterano Jerônimo Reis. Um quarto deputado pode deixar a Assembleia, se Pastor Antõnio dos Santos for confirmado como vitorioso na chapa liderada por Valadares Filho em Aracaju.  Orlandinho Andrade, o irmão do Conselheiro do TCE Ulisses Andrade, vai herdar a Prefeitura de Canindé do São Francisco, cujo atual titular, Pastor Heleno, tem sido um desastre. O Prefeito de Santo Amaro, o “importado” Chileno, não volta ao cargo, quem ganhou por lá foi Dadau, com 3.133 votos, contra 1.161 de Chileno.

    ***
Em termos nacionais, surpresa foi a vitória, em primeiro turno, do empresário João Dória, aquele que fazia questão de se apresentar assim, não como político. A surpresa aí de cima, fica por conta do primeiro turno, o que é fato raro numa cidade como São Paulo, o maior colégio eleitoral do país. Deixou comendo poeira nomes expressivos como Fernando Haddad, Marta Suplicy, Luisa Erundina, que já foram prefeitos, anteriormente. A grande decepção, mais uma vez, foi o intragável Celso Russomano…

No Rio de Janeiro, o segundo turno vai ser decidido pelo bispo Marcelo Crivella e – surpresa! – Marcelo Freixo. Crivella é o favorito, mas cá com os meus botões fico torcendo por Freixo. Em Salvador, ACM Neto, teve uma montanha de votos para continua prefeito da Capital baiana. Mas, em mais de 20 Estados vai haver segundo turno. Em muitos deles, sem a presença do PT. O Partido dos Trabalhadores foi o grande derrotado desta eleição. Não se imaginava uma derrocada deste tamanho… Mas, c´est la vie, como diriam os franceses…

Comentários