…e Luciano Bispo está no páreo

0

Em nossa última postagem, tínhamos prevenido que esta seria a semana decisiva para as eleições da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de Sergipe. Foi uma previsão correta. De fato, a partir de hoje intensificam-se os contatos com vistas a escolha dos nomes que vão dar um colorido especial às eleições da próxima sexta-feira, 1º de fevereiro. Levando-se em conta que o atual Presidente, deputado Luciano Bispo, foi liberado pela Presidente do TSE, Sra. Rosa Weber, a tomar posse como deputado na nova legislatura, ele certamente é o nome mais forte para ocupar a Presidência da Casa na nova Mesa Diretora. Só a partir desta segunda-feira vai ficar claro como Luciano Bispo formará sua chapa e se seus dois principais concorrentes, deputados Jefferson Andrade e Garibaldi Mendonça, manterão as candidaturas ou haverá uma arrumação de consenso para que não seja preciso bater chapa. Correndo por fora está o deputado Zezinho Guimarães, que dizia já ter voto suficiente para empatar com qualquer outro candidato e ganhar a eleição por ser o mais velho, em idade, dos deputados da Casa. Só na sexta-feira veio a decisão da magistrada Rosa Weber beneficiando Luciano Bispo. Melhor assim, claro! Assim, corações e mentes não vão se repartir. Até sexta-feira dá para se arrumar um novo consenso e ir para as urnas imediatamente após a posse dos 24 deputados na sexta-feira, a partir das 15h. Luciano Bispo, a partir de hoje, também, não vai dar para quem quiser cumprimenta-lo, com apertos de mão ou simples abraço. Ele está a caminho de se tornar de novo Presidente da Assembleia Legislativa, indicado pelo Governador Belivaldo chagas e ungido pelos seus pares.

Gualberto, como é que fica?

Haverá lugar, na próxima Mesa Diretora para o deputado Francisco Gualberto? Quando ele deixou a liderança do Governo, há semanas atrás, ele anunciou que perseguiria uma vaga na Mesa, possivelmente de Vice-Presidente. Neste posto não sei se vai dar. Mas, em qualquer outra posição ele é nome forte.

Zezinho vai ser líder?

O seu cargo anterior, de líder do Governo, parece que vai ser preenchido mesmo pelo deputado Zezinho Sobral, que, embora novato na Assembleia, tem uma sólida amizade com o governador Belivaldo Chagas. A partir de 18 de fevereiro quando ele começa realmente a ser Líder do Governo, vamos ver como ele vai se sair…

A renúncia de Jean Willys

É quase impossível não acessar as redes sociais sem receber noticias da renuncia do deputado federal carioca Jean Willys ao seu novo mandato. É que a boataria ali corre livre, leve e solta. Há quem garanta que esta história de renunciar e deixar o país para se livrar de ameaças a sua vida, não é exatamente verdadeira. Ele está, em verdade, com receio de ser preso pela Polícia Federal diante de tantas denúncias que ele seria o autor intelectual do atentado praticado pelo Adélio Santos contra a vida do então candidato Jair Bolsonaro. Os dois só andavam às turras na Câmara Federal e sobrou uma grande inimizade entre Bolsonaro e o deputado Willys. Esta chegou a disparar uma cusparada na cara do candidato Bolsonaro, no auge de uma discussão na Câmara. Isso teria levado a Adélio cometer o atentado. A Polícia Federal está levantando dados sobre o fato. Mas, até agora não divulgou nada. Mas se Jean Willys não quiser mesmo assumir o mandato na próxima sexta-feira terá que botar essa sua intenção numa folha de papel, assinar embaixo e levá-la à Câmara Federal, ou entregar em mãos ao Presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia. Simples assim. Mas quando é que alguém – quem? – vai contar toda essa história para o Brasil tomar conhecimento?

A operação de Bolsonaro, hoje

O Presidente Bolsonaro opera-se hoje pela manhã, em São Paulo, no Hospital Albert Einstein para a retirada da bolsa de colostomia que carrega desde que sofreu o atentado a facas. Mesmo retirando agora a bolsa de colostomia, o presidente Jair Bolsonaro terá que ter uma vida bem regrada.

Estragos bem maiores

Não se fala de outra coisa nas redes sociais senão o rompimento de uma nova barragem da Vale do Rio Doce, em Minas Gerais. Embora menor que a barragem de Mariana, rompida há mais de três anos atrás, em Brumadinho os estragos foram bem maiores, tanto o número de mortos e feridos, além do elevado número de desaparecidos. E o pior é que o córrego de lama ameaça desembarcar no Rio São Francisco.

Comentários