Coronavírus: CDL diz que é cedo para prever impacto na economia de SE

0
Brenno diz ainda que a medida do Governo Federal de antecipar a primeira parcela do 13º salários dos aposentados pode promover um importante aquecimento da economia (Foto: arquivo/ Portal Infonet)

Apesar dos recorrentes impactos negativos na economia global, a Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) diz que ainda é cedo para avaliar os efeitos da pandemia do novo coronavírus no cenário econômico sergipano. Segundo o presidente da CDL, Brenno Barreto, o momento é de cautela para não haver exaltações no tocante às informações sobre a reação do mercado frente a doença.

Segundo o presidente da CDL, Brenno Barreto, o momento é de cautela para não haver exaltações no tocante às informações sobre a reação do mercado frente a doença. (Foto: arquivo pessoal)

“Ainda é cedo para eu emitir uma avaliação acerca da diminuição ou não das vendas no comércio. Mas eu acredito que a população tem que ter bastante cautela para não gerar um pânico desnecessário”, avalia Brenno Barreto. Ainda segundo ele, as medidas que foram tomadas até o momento dizem respeito à informação. “As pessoas, principalmente os idosos, precisam evitar aglomerações, já que fazem parte de um grupo de risco”, ressalta.

Em relação ao tipo de comércio, Brenno acredita que os estabelecimentos que possuem uma estrutura mais fechada poderão sentir algum impacto. “Acredito que os comércios que possuem ambientes fechados, como shoppings e cinemas, deverão sentir uma maior queda”, destaca o presidente da CDL.

Brenno diz ainda que a medida do Governo Federal de antecipar a primeira parcela do 13º salários dos aposentados pode promover um importante aquecimento da economia. “É um cuidado que tem que ser feito para preservar a economia. Se por ventura acontecer uma queda muito brusca, isso irá desencadear o aumento do desemprego”, relata. “Toda ação que possibilite a circulação de recursos é uma medida bastante positiva. Só precisamos ter o cuidado para não ser negligentes ao utilizar esse recurso”, completa.

por João Paulo Schneider 

Comentários